quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Podar Melões - Desenhos


                                                         30/06/2012

Se até à data ainda não conseguiu entender como se capa/poda melões, pelas imagens e comentários que já postei neste blogue, então após ver estas imagens se continuar no estado anterior…não tenho mais “remédio” para a sua cura…(vá lá, não sejam mauzinhos…pois não estou a ser arrogante mas sim a levar isto para galhofa)


Estes desenhos foram feitos no Paint, por isso não vale a pena criticar a ténue semelhança com um pé de melão! Não é nada fácil desenhar num ecrã de computador com um rato (já era tempo de inventarem um “lápis” – tipo rato -, para trabalhar no Paint, etc).
Volto também a lembrar que sou daltónico, e por isso se as cores lhe fazem confusão, a mim confusão-fazem-as-cores… E já fui bonzinho com vocês…pois eu devia era desenhar em tons azuis, branco, amarelo e laranja – cores que quando misturadas os meus olhos distinguem facilmente, ao contrário das restantes..

Eis então a receita…
O eucalipto…que se vê na primeira imagem, representa um pé de melão.
As duas falsas folhas que se vê em baixo, na realidade chamam-se cotilédones, e que podem ser cortadas, desviadas 1 a 2 milímetros do tronco.
Não é muito importante esta acção, apenas serve para prevenir alguma doença…pois os cotilédones tem uma grande tendência para adoecerem/apodrecerem. Cortando-os elimina-se o mal!

Logo acima dos cotilédones encontra-se as duas primeiras folhas verdadeiras.
E se repararem bem, em cada axila das folhas vê-se um ponto (olho/rebento) amarelo. Ora, esses pontos amarelos não podem ser mutilados pois são as futuras vinhas/ramos, após desenvolverem.

Esta imagem representa onde eu capo o melão.
Aquele traço na horizontal a vermelho, rente à terceira folha, é o corte que eu pratico.
Depois de capar só fica uma planta com duas folhas, e normalmente já com os “olhos” mais desenvolvidos (não fiz desenho do facto pois a explicação escrita é suficiente…).
 
Esta imagem com letras será mais fácil de compreender.
Então as letras representam o seguinte:
A – Cotilédones
B – Folhas verdadeiras (1ª e 2ª)
C – 3ª folha verdadeira
Então porque é que estou a repetir…a imagem anterior – questionará o visitante?!
Resposta: Porque este corte/capar não é bem igual ao anterior!
Esta é a forma de capar melões Casca de Carvalho.

Se repararem bem o corte não foi efectuado abaixo da terceira folha, mas sim acima dessa terceira folha.
Também se olharem com atenção, será visível um X no olho/rebento da terceira folha.
Se efectuarem este corte, é imprescindível mutilar esse olho/rebento, pois caso não o façam o pé de melão em vez de crescer com duas vinhas (as duas de baixo), crescerá com 3, o que não é nada bom para o desenvolvimento de um meloeiro, nem dos frutos.

Um leitor mais atento, ou com “calo” nas lides de capar, dirá que não há diferença entre o capar da primeira e segunda imagem. Eu penso assim!
A única diferença é que se afastou o corte para mais longe das futuras vinhas, evitando, após o corte, qualquer fungo/doença de chegar mais rápido aos tais olhos/rebentos.
Agora em vez deste pé de melão ter duas folhas – após o corte -, possui três, mas ao mutilar o olho/rebento da terceira folha, continua só a existir a mesma equação da primeira imagem, que é o desenvolvimento nos dois olhos/rebentos em baixo (1ª e 2ª folha verdadeira). Repito: esta forma de corte/capar só difere da primeira imagem em afastar para mais longe das futuras vinhas o corte no tronco. Nada mais – ponto final.

Sinceramente, aconselho a praticar este corte da segunda imagem, em vez de o fazer como eu – abaixo da terceira folha -; mas não esquecer de retirar o olho/rebento que desponta na axila dessa terceira folha (C)!
As duas imagens que se seguem foram retiradas do blogue, pois neste momento não tenho plantas com este tamanho (ainda bem…); assim não façam caso das setas amarelas que se vê na imagem seguinte.
A razão de voltar a publicar as duas imagens é simples, e passo a explicar: tomei o habito de capar melões quando as plantas estão com o tamanho da imagem B. Até à data nunca me morreu uma planta depois de capar - ao contrário da imagem A onde já perdi várias plantas, que sem dúvida se deve à fragilidade do seu tamanho (A). Por isso aconselho a imagem B como referência para capar. Também aconselho a não esperar para capar com uma planta mais desenvolvida que a imagem B!
As vinhas que nascem das “axilas”, nas duas primeiras folhas verdadeiras, e no estado da imagem B já se encontram bem encaminhadas – ao contrário da imagem A -, e por isso, após capar depressa tomarão desenvolvimento. 
 
As imagens anteriores cingiram-se simplesmente à primeira etapa do capar. Esta é a segunda etapa – ou segunda “capação”.
Aqui só está desenhado um ramo da vinha, e neste caso o ramo que porta o fruto.
Os frutos (melões) nunca nascem dos ramos da vinha principal – ponto! E dependendo da espécie de melão - pois encontra-se diferenças entre as ditas -, eu neste caso estou-me a guiar pelas imagens da espécie Old Time Tennessee (falhei a experiencia de enxerto nos Casca de Carvalho – morreram os 3 pés), este ramo que porta o fruto nasce das vinhas secundárias.

Como se vê na imagem este ramo porta um melão (espécie exótica “arco- íris”…).
Ora, aquele corte que se vê duas folhas à frente do melão, só deve ser efectuado quando este já se encontra em desenvolvimento, e nunca quando ainda está em flor (pois nada garante que já tenha sido polinizada).
Só aconselho a fazer este corte quando o melão já estiver quase do tamanho de uma bola de ténis.
A “força” da vinha fica agora no desenvolvimento do fruto, após o corte. 
 
Terceiro e último corte/poda que pratico nos melões.
Esta imagem representa um pé de melão já capado, com dois melões em desenvolvimento e do tamanho de um limão (os frutos/melões).
Quando o pé de melão está na fase que acabei de referir anteriormente, corto todas as ponteiras das vinhas (excepto as guias dos frutos, pois essas já foram podadas na explicação da imagem anterior). Isto fará que o desenvolvimento do pé de melão recaia todo só nos frutos.

Agora outras explicações:
Como se pode ver pela imagem, o pé deste melão é o mesmo da primeira e segunda imagem do post.
Já capado, e com as duas vinhas que nasceram nas “axilas” das duas primeiras folhas verdadeiras (pintei em amarelo para realçar o facto).
O risco amarelo que atravessa o centro das vinhas de uma ponta a outra, serve para demonstrar que se trata das guias principais. Depois nascem outras guias da principal, e que são as secundárias. E por fim, nascendo das vinhas secundárias, nascem as guias dos melões.
Outro pormenor: eu só deixo 2 ou 3 melões por planta. Normalmente dois (2), mas já deixei várias vezes desenvolver 3. E como se vê pela imagem, deixar um melão desenvolver em cada lado da vinha (um à esquerda outro à direita). Se for para deixar 3 frutos, escolher o lado mais “robusto” e desenvolvido para aí cresceram 2 frutos, e do outro lado 1.
Relembro que não sou nenhum botânico, e por isso isto não passa de uma demonstração de uma leigo…
 
Como todos devem saber (?...), o melão Casca de Carvalho é originário das regiões entre Minho e Douro.
Devido ao facto de estas regiões serem de temperaturas amenas, normalmente só se vê esta espécie á venda em meados ou finais de Julho.
E para “agonizar” ainda mais os apreciadores deste fruto/espécie, os vendedores “de beira da estrada” – que normalmente são feirantes agricultores -, aplicam-lhe um preço elegante… Quando um cliente tem a sorte de apanhar… um melão doce e picante, até é capaz de se gabar…que foi dinheiro bem dado; o problema é daqueles clientes que pagam, bufam…e não comem (melão insípido, etc).
Este melão devia ser um artigo reembolsável…

Enfim, isto para dizer que a fama das qualidades deste melão – doce e picante -, é muito conhecido nestas regiões; mas também é do conhecimento que nem todos os melões ganham essas características.

- O que faz então com que o melão seja doce e picante – questiona o Zé-Povinho?!  
Fácil…Basta deitar na água de regar piri-piri e açúcar… Ah! E o açúcar tem de ser do amarelo…e a água só pode ser das azeitonas…
Mas já me chegou aos ouvidos…que a água que demolha o bacalhau é mais eficaz que o piri-piri…
Também já me disseram…que se plantar uma fava junto do pé de melão, depois ela aparece dentro do fruto…É o chamado brinde da fava…
A sério, experimentem…

(((Tenho um truque na manga…que não devia dizer, pois não diz respeito ao artigo em questão; mas como sou generoso com os amigos…eu conto: na água que rego os tomateiros, uma em cada dez regas, deito-lhe 3 colheres de sopa de azeite, meia de vinagre e um pouco de sal…Assim quando colho os tomates, já vêm temperados para as saladas…
Digam lá se não sou magnânimo!...)))


 Agora mais a sério: aqui na zona que habito, e desde que me lembre, quando se falava do melão Casca de Carvalho vinha sempre ao de cima a “questão picante”, e o porquê. Ora, esse “porquê” resultava sempre numa mentira, ou seja, sempre se associou o picante desta espécie de melão aos pimentos. Melhor explicado: não sei se foi por “vontade” dos cultivadores da espécie (?), ou se foi o povo nas suas fábulas…mas a história que circulou por aqui, foi que para se ter melões picantes havia que semear junto de cada pé um pimenteiro.
O povo “comeu e calou” a história…pois não percebia nada de cultivar melões Casca de Carvalho, e as histórias “vendem bem” no ouvido popular.
Quanto ao agricultor, cultivador da espécie, “agradeceu a patranha” pois manteve o segredo inviolável…

Só por uma vez cultivei o melão Casca de Carvalho, por isso não serei de certeza absoluta a pessoa indicada para revelar segredos...mas posso partilhar a minha opinião.  
Já cultivei aqui na horta muitas espécies de melões e meloas; tanto nuns como noutras tive espécies odoríferas como inodoras.
Questão: o que faz um melão/meloa ser odorífero ou inodoro?!
Não tenho a resposta para esta questão, pois não estudei botânica nem biologia, e as ciências do secundário não chegam para responder; mas tenho a informação mais lógica…: Não reguei/perfumei/sulfatei os melões odoríferos com qualquer substância perfumante! Por isso não foi por aqui que se “deu o milagre”.
Outra questão: o que faz que um melão/meloa seja doce ou insípido?!
Mais uma vez “a resposta lógica”: Não reguei e nem estrumei o pé com açúcar, adoçante ou pastéis de nata…
Volto a repetir: então o que faz com que um melão/meloa seja doce e picante?!
A minha opinião de leigo em estudos, mas simpatizante da prática e da teoria é a seguinte: julgo que o doce e o picante é adquirido numa conjuntura de factos, que vai desde o Sol/calor, estrume utilizado, qualidade do solo, a rega e qualidade da água, etc.

O porquê desta minha “conjuntura” é simples, e passo a explicar: por várias vezes já colhi meloas apimentadas e de espécies diferentes. Mas o que me leva a concluir tal raciocínio é que nessas meloas - e vou só referir a espécie X para melhor entendimento -, colhi frutos doces e apimentados com também colhi do pé ao lado frutos insípidos. Daqui concluo que o factor de “maior importância” se encontra no solo (estrume); pois se ambas as plantas levaram o mesmo Sol, beberam a mesma água e tinham o mesmo solo, só resta mesmo o “fermento” (que terei mal distribuído).

Um “passarinho” contou-me recentemente que, os melões Casca de Carvalho adoram dois ou três "nacos" frescos de bosta bovina. E claro, colocar a pelo menos um palmo de fundura das raízes, quando se transplanta a jovem planta para o solo. Mais tarde, quando os melões começam a desenvolver (tamanho de um punho), convinha fazer um buraco lateral ao pé, e colocar mais “um naco” de bosta.

Não esquecer que as cucurbitáceas são de um enorme desgaste para o solo (estrume = queimar), e por isso só de deve voltar a cultivar no mesmo local, no mínimo 4 anos após o último cultivo. Mas se for aumentado para 5 ou 6 anos, então melhor!

Se houver aí visitantes desta horta, que sejam cultivadores do melão Casca de Carvalho, e queiram partilhar segredos…com todos os outros visitantes, então força nesse teclado…que eu publico esses comentários!


9 comentários:

João Gomes disse...

Viva
O seu post está fantástico, para o ano vou plantar melões para ver o que dá.
Uma pergunta, por acaso nunca ouviu falar de uns melões japoneses que são de um sabor "único" (nunca provei nem sei o nome) e que são tão únicos que são caríssimos?
Vi há tempos na TV e não consegui apanhar tudo, mas fiquei curioso!
Cumprimentos
João

Sansoni7 disse...

Olá
Como sabe, «meti-me» a plantar meloas em garrafões de 5 litros de água e com o seu crescimento na vertical.
Também capei as plantas desta forma e, eventualmente porque não fiz o trabalho bem feito, estranhei que as plantas não tinham fruto. Deixei de podar e os frutos foram aparecendo. Neste momento, os seis pés de meloas terão umas 10 meloas em diferentes estágios de desenvolvimento.
A minha dúvida é: será que fiz o trabalho mal feito, ou a poda das meloas deve ser diferente da dos melões?

Amigo, muito obrigado por este post.

Cumprs e boas culturas
Augusto

Paixão da Horta disse...

Viva João,

Já "ouvi" algo, ou melhor, eu fiz uma tradução de inglês para português sobre o tema, aqui à dois anos atrás, só que agora não me lembro do nome da espécie. No entanto, e se a tradução era aceitável... percebi que os preços exorbitantes se deviam ao marketing da empresa que os vendia, e que eram uma "espécie" de produto gourmet, só vendidos exclusivamente em estabelecimentos comerciais para ricos...

No entanto, se quiser sementes de uma espécie japonesa - que não me lembra se era esta a "dita cuja" -, deixo-lhe aqui um link onde adquirir sementes.
A espécie chama-se Sakata`s Sweets:

http://rareseeds.com/vegetables-d-o/melons/american-asian-european-melons.html?limit=128

Cumprimentos,
António

Paixão da Horta disse...

Viva Augusto,

Como já lhe cheguei a dizer, não há necessidade de capar meloas; no entanto não têm crise...em o fazer.
Ao capar meloas ganhará um pouco na precocidade das ditas. Também terá meloas mais volumosas mas a produção diminui, como é lógico!

No entanto, essa "pouca" produção suponho que se deva a esta temporada tão amena, pois as minhas não possuem mais que 3 meloas por pé.
Notei uma grande falta de abelhas e de flores fêmeas e hermafroditas.
Só posso tirar tais conclusões.
Atenção que isto não quer dizer que seja geral, pois em Portugal há temperaturas meteorológicas muito díspares entre regiões!
Saudações,
António

Rui Esteves disse...

Amigos o melão japonês chama-se YUBARI e eu tb vi esse programa!
Mas a palavra chave é mesmo e como diz o António MARKTING

Um abraço

Paixão da Horta disse...

http://www.fareastgizmos.com/other_stuff/japans_cadillac_of_melons_yubari_melons_fetches_record_2_million_yen.php


http://blogs.afp.com/makingof/?post/2012/07/25/J-ai-go%C3%BBt%C3%A9-le-melon-%C3%A0-5.000-euros

Sansoni7 disse...

Olá António e obrigado pelo esclarecimento.

É um facto que não tenho visto abelhas ( ontem li os seus posts antigos sobre este fenómeno, apenas uma ou outra vespa pousa nas flores das meloas....a maior parte, flores macho. Quando encontro uma flor fêmea lá vou eu catar uma macho para polinizar. Algumas vezes dá certo, mas nem sempre.

Vamos ver o resultado final...para já, estão pequenas....mas ainda é cedo

Cumprs e boas culturas

Augusto

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Victor M. F. Sá disse...

Meus senhores, eu é a primeira vez que planto melões casca de carvalho. Tenho duas dúvidas...

1º- Ao capar os melões, a planta dá menos melões e maiores. Será verdade ?

2º- Os melões casca de carvalho, não precisam de tratamento nenhum, para serem picantes. Certo ou errado ?